“Coisa de branco”? O comentário de William Waack nos bastidores do “Jornal da Globo” e outros episódios polêmicos em nossa TV – Globo emite comunicado e afasta apresentador

“Vazou” na Internet, nas últimas horas, um vídeo dos bastidores do “Jornal da Globo”, em 07 de novembro do ano passado, onde o jornalista e âncora William Waack faz um comentário preconceituoso: “É coisa de preto”. A gravação foi feita durante a cobertura das eleições americanas. A postura do apresentador não pegou nada bem e seu nome passou a figurar as primeiras posições dos assuntos mais comentados das redes sociais. A TV Globo foi procurada pelo Bastidores da TV e em nota oficial na noite desta quarta-feira (08), afirmou ser contra o racismo e que está afastando o apresentador, até que tudo seja devidamente apurado.

 

Globo afasta apresentador do “Jornal da Globo”.

Na internet, há quem defenda a demissão do jornalista e outros chegam a sugerir a prisão do profissional por racismo. Indiferente do desfecho do caso, até mesmo se confirmado o “ano sabático”, Waack deve uma satisfação ao telespectador. Afinal, o que “é coisa de preto” e mais uma curiosidade, o que o caro jornalista considera “coisa de branco”?

O caso do jornalista global não é o primeiro a gerar polêmica na TV. Dias após a publicação de um vídeo na internet, em que o atual apresentador do “Primeiro Impacto”, jornal matinal do SBT, ainda em janeiro, quando apresentava o “Balanço Geral DF”, em que chamou a cantora Ludmilla de “pobre e macaca”, o jornalista foi demitido da Record TV. A cantora o acusou de racismo e o apresentador acabou sendo contratado por Silvio Santos. “Jamais fui preconceituoso com a cantora. Fui mal-interpretado. Utilizei uma gíria muito comum na região”, justificou Marcão do Povo.

Em 31 de dezembro de 2009, o então âncora da Band, hoje na RedeTV!, acabou ofendendo dois garis, devido uma falha técnica, onde seu áudio acabou vazando no “Jornal da Band”. Após ser processado e condenado, em setembro deste ano, Boris Casoy indenizou o gari José Domingos de Melo, em R$ 60 mil. O colega Francisco também aguarda o desfecho do processo que moveu individualmente. Os varredores José Domingos de Melo e Francisco Gabriel de Lima apareceram em uma vinheta desejando Feliz Natal, mas uma falha levou ao ar o áudio de Boris dizendo: “Que merda, dois lixeiros desejando felicidades do alto das suas vassouras. O mais baixo na escala do trabalho”. O âncora se retratou sobre o comentário que definiu como “uma frase infeliz”. “Peço profundas desculpas aos garis e a todos os telespectadores”, Ele não foi demitido pela Band, mesmo com a polêmica.

Outro caso que ganhou repercussão nacional aconteceu no fim de 2010, durante o “Jornal do Almoço”, telejornal exibido pela afiliada da TV Globo em Santa Catarina. O então polêmico comentarista da atração, Luiz Carlos Prates, hoje no SBT Santa Catarina, acabou sendo demitido da emissora após 32 anos, devido principalmente a uma reportagem exibida pela Record TV, no “Domingo Espetacular”, em que pediu a “cabeça do apresentador da concorrente”. No vídeo, Prates afirma que “hoje em dia qualquer miserável tem carro”, o que soou de forma preconceituosa. Entretanto, para o jornalista não há problema no comentário. Ele reconheceu sua forma intensa de comentar e se defendeu afirmando que foi vítima de má compreensão por parte da TV Record que colocou seu vídeo em rede nacional.

Siga: JÚLIO CÉSAR FANTIN

Twitter: @jcfantin

Facebook: @eusouojulio

Instagram: @juliocesarfantin

Júlio César Fantin

Trabalhou em empresas de comunicação como SBT SC, Band SC e Regional FM. Criou o site Portal G e o portal Ouvintes. É colunista de TV desde 2012. Atua no BastidoresDaTV, desde janeiro de 2015.

colunajuliofantin@gmail.com

Pin It on Pinterest