O texto da novela “O Sétimo Guardião”

Escondida entre montanhas, a pequena Serro Azul, para muitos, não passa de uma lenda. Pelo menos até agora…

Em ‘O Sétimo Guardião’, a próxima novela das nove, a cidade deixará de ser apenas a vizinha de Greenville e de Tubiacanga e aparecerá como cenário principal das tramas que o público vai acompanhar. “Essas cidades sempre estiveram no meu imaginário. Fazem parte da memória que tenho da minha infância no interior de Pernambuco. Serro Azul sempre existiu dentro do meu universo geográfico”, conta o autor Aguinaldo Silva.

Apesar de seu clima pacato de Interior, onde avanços tecnológicos como internet e telefonia celular ainda não chegaram, Serro Azul tem algumas peculiaridades. A principal delas é uma fonte com propriedades curativas e rejuvenescedoras, localizada na parte mais externa de um gigantesco aquífero, uma enorme reserva daquilo que a cada dia se torna o bem mais precioso da Terra: a água. A fonte é protegida por sete guardiães que têm como missão garantir que essa riqueza não chegue às mãos erradas. São eles: o prefeito Eurico (Dan Stulbach), o mendigo Feliciano (Leopoldo Pacheco), o médico José Aranha (Paulo Rocha), o delegado Joubert Machado (Milhem Cortaz), a esotérica Milu (Zezé Polessa), a cafetina Ondina (Ana Beatriz Nogueira) e o solitário Egídio (Antonio Calloni), o guardião-mor.

A novela, que marca a volta de Aguinaldo Silva ao realismo mágico, vai mostrar que alguns lugares guardam grandes histórias e muitos mistérios escondidos. Resta saber até quando cada um é capaz de guardar um segredo. “Fico feliz em participar deste momento em que Aguinaldo resgata um universo no qual ele sempre transitou muito bem. Nossa história vai falar de segredos, da importância da água, mas principalmente de amor, através de Luz (Marina Ruy Barbosa) e Gabriel (Bruno Gagliasso). O grande conflito desse casal será a missão de proteger a fonte”, afirma o diretor artístico Rogério Gomes.

De Aguinaldo Silva, com direção artística de Rogério Gomes, ‘O Sétimo Guardião’ estreia dia 12 de novembro. A direção-geral é de Allan Fiterman e a direção, de Luciana Oliveira, Fabio Strazzer, Davi Lacerda, Guto Arruda Botelho, Pedro Brenelli e Caio Campos.

O gato León e a busca pelo novo guardião-mor

Sempre por perto dos guardiães está Léon, o gato de Egídio (Antonio Calloni). Alguns comentam que o animal tem poderes. Outros se arriscam a dizer que ele não é apenas um gato. E é justamente a partir de León – ou melhor, de seu desaparecimento – que a história de ‘O Sétimo Guardião’ começa a ser contada. Quando o guardião-mor percebe que o animal sumiu, logo trata de avisar aos companheiros da irmandade, pois Egídio sabe muito bem o que isso significa: é um sinal de que sua morte se aproxima, e Léon foi em busca daquele que ocupará seu posto.

León, de forma mágica, aparece em São Paulo, onde vive a famosa empresária do ramo de cosméticos Valentina Marsalla (Lília Cabral), e cruza com o filho dela, Gabriel (Bruno Gagliasso), em plena Avenida Paulista. Esse encontro enigmático acontece justamente no dia do casamento do rapaz com Laura (Yanna Lavigne). Para Valentina, essa união é muito importante, principalmente porque a jovem é filha do milionário Olavo de Aragão Duarte (Tony Ramos), e a união das famílias representa a salvação de sua situação financeira, que atualmente não é das melhores.

Mas, para desespero da empresária, pouco antes da cerimônia, Gabriel, de uma forma absolutamente inesperada, desiste de se casar e vai embora sem dizer para onde, nem o motivo. Essa atitude faz com que um filme triste se repita na memória de Valentina. O rapaz nunca soube, mas, na juventude, ela foi abandonada no altar por Egídio e fugiu de Serro Azul jurando nunca mais voltar. 

Luz e Gabriel: amor amaldiçoado por uma missão

Depois de decidir, mesmo que de maneira inconsciente, mudar os rumos de sua vida, Gabriel dirige em direção a Serro Azul, sem nunca sequer ter ouvido falar do local. Seu único objetivo é descobrir o que o atrai para aquele lugar. Mas, como o destino muitas vezes faz questão de surpreender, quando o rapaz está chegando à cidade, sofre um acidente e é socorrido pela misteriosa Luz (Marina Ruy Barbosa).

A jovem, aliás, tem uma ligação muito forte com Léon e se entende com o animal através do olhar. E é conduzida pelo gato que Luz consegue salvar Gabriel. Recém-formada professora, a jovem foi criada pelo avô, Sóstenes (Marcos Caruso), como uma menina comum. Luz sabe, no entanto, que sempre esteve longe disso. Desde pequena, ela tem sonhos misteriosos e alguns deles são visões de algo que está prestes a acontecer.

Luz leva Gabriel para sua casa e decide, com o avô, ajudar o rapaz até que ele se recupere e descubra o que o levou até ali. Em pouco tempo, os dois percebem que algo forte os une: o amor. Disposto a viver esse sentimento, o jovem será capaz de enfrentar a fúria de sua mãe, Valentina. E o casal ainda terá um obstáculo maior para encarar: Gabriel terá que escolher entre o amor de Luz e sua missão de ser o novo guardião-mor da fonte.

A chegada de Valentina Marsalla a Serro Azul

Quando Valentina descobre que Gabriel foi parar em Serro Azul, é tomada por uma enorme fúria. Ela não entende como foi possível que seu filho tenha ido justamente para o lugar em que ela jurou nunca mais colocar os pés. Contrariada, a empresária pede a Clotilde (Adriana Lessa), a única pessoa de sua terra natal com quem ainda mantém contato, que prepare tudo para seu retorno que, é claro, tem que ser triunfal.

E, realmente, Serro Azul não será a mesma após a chegada de Valentina. A primeira coisa que ela faz é procurar Egídio (Antonio Calloni) e revelar que, quando ele a abandonou no altar, ela estava grávida. Egídio, que está predestinado a morrer, não tem tempo de se aproximar de Gabriel, mas Valentina usa essa história triste de seu passado para tentar sensibilizar o filho e convencê-lo a voltar para São Paulo e se casar com Laura (Yanna Lavigne).

Só que o amor de Gabriel e Luz já tomou conta dos jovens e parece inabalável, o que faz com que a permanência de Valentina em Serro Azul seja mais longa do que o planejado. Mas não vai demorar muito para que ela descubra que retornar à cidade pode ter sido, no final das contas, a maior sorte de sua vida. Ao perceber que sua irmã, a primeira-dama Marilda (Leticia Spiller), aparenta ser bem mais jovem do que realmente é, a empresária dá logo um jeito de descobrir qual o seu “segredo da juventude”. Marilda acaba revelando à irmã sobre a existência da fonte na cidade. A primeira-dama, que não sabe sobre a irmandade que protege a água, acredita ser a única pessoa que conhece o segredo. Crendo ter descoberto o mapa da mina, Valentina fará de tudo para se apossar do casarão de Egídio, sob o qual a fonte está escondida.

Aos poucos, ela se dá conta de que cada um dos guardiães tem um ponto fraco e passa a usar isso em benefício próprio. Sua primeira vítima é o delegado Machado (Milhem Cortaz), marido de Rita de Cássia (Flávia Alessandra). A segunda é o prefeito Eurico (Dan Stulbach), seu cunhado. Quando ela fica sabendo que o grande sonho dele é chegar a Brasília, promete levar a tecnologia para Serro Azul em troca da desapropriação do casarão de Egídio.

Ao sentir que a irmandade e o segredo da fonte estão ameaçados, os guardiães precisam correr contra o tempo para descobrir logo quem é o novo guardião-mor. Só que essa busca não será fácil: pessoas ambiciosas, como o enigmático Sampaio (Marcello Novaes), capanga de Valentina, percebem que existe alguma riqueza escondida na cidade e tentam se passar pelo novo escolhido. Enquanto isso, Gabriel segue planejando seu futuro com Luz, sem desconfiar de que em breve se verá diante desse grande conflito.

 

Em defesa da moral e dos bons costumes

Enquanto os guardiães se preocupam em proteger a fonte, o restante da cidade está alheio a tudo que envolve esse segredo. Mas isso não faz com que a vida dos moradores “comuns” seja menos movimentada. Definitivamente. A beata Mirtes (Elizabeth Savalla), por exemplo, não perde a oportunidade de tumultuar qualquer ambiente em que esteja. Católica fervorosa, ela está sempre acompanhada de Jurandir (Paulo Miklos), Liliane (Simone Zucato) e Roseane (Talita Fusco). Mirtes é mãe do doutor Aranha (Paulo Rocha) e nunca aceitou o casamento do filho com Stella (Vanessa Giácomo). A nora perdeu um bebê que esperava e nunca mais conseguiu engravidar, o que faz com que Mirtes viva dizendo que ela não foi capaz nem de lhe dar um neto. Apesar de contar com o apoio do marido, Stella por vezes se sente insegura em meio às insinuações da sogra e tem que ser forte para não sucumbir ao vício pela bebida. Aranha, que tem adoração pela mãe e é completamente apaixonado pela esposa, vive na linha de fogo, tentando acabar com a guerra entre as duas.

Além da relação conflituosa com Stella, Mirtes não dá sossego para o ex-genro, João Inácio (Paulo Vilhena). Ela faz marcação cerrada para que ele respeite a memória de sua filha que morreu e, ao descobrir, que o rapaz está envolvido com Stefânia (Carol Duarte), uma das meninas do bordel de Ondina (Ana Beatriz Nogueira), passa a infernizar a vida do casal. Ondina, aliás, é outro alvo de Mirtes. A beata considera a cafetina a encarnação do pecado e não poupa insultos quando cruza com ela pelas ruas de Serro Azul.

O paraíso de Ondina

Ninguém sabe ao certo se a pousada Paraíso da Ondina serve de fachada ao bordel que a guardiã mantém nos fundos do imóvel, ou se é o contrário. Mas quem já frequentou os dois sabe que eles se complementam. Os estabelecimentos são ligados por um túnel, assim os distintos clientes que frequentam o bar da pousada podem, a certa altura, seguir em direção ao bordel sem levantar suspeitas.

Todas as noites, o tango toma conta do local, abrigando corações desiludidos ou em busca de diversão, e até mesmo alguns apaixonados, como é o caso de João Inácio (Paulo Vilhena), que bate ponto diariamente no bordel para dançar com Stefânia (Carol Duarte).

Ondina vê em suas meninas e em Adamastor (Theodoro Cochrane), seu braço direito na administração dos negócios, a família que ela não construiu. Além de Stefânia, trabalham no bordel e na pousada Luciana (Josie Pessoa), Januária (Mila Carmo) e Katiucha (Lyv Ziese).

   

Nicolau e o seu BB na Chapa, o ponto de encontro da cidade

Na praça de Serro Azul está o quiosque BB na Chapa. Comandado pela família de Nicolau (Marcelo Serrado), o local é o point preferido dos jovens. É ali que o radialista Patrício (Lucci Ferreira) faz seu lanche antes de entrar no ar com as últimas notícias da cidade, e onde Lourdes Maria (Bruna Linzmeyer) fica na expectativa de encontrar Júnior (José Loreto) e tentar chamar a atenção do filho do prefeito, mesmo sabendo que ele só tem olhos para Luz (Marina Ruy Barbosa).

Nicolau tem muito orgulho de seu negócio, que garante o sustento da família, e só não se considera completamente feliz porque, para ele, ainda falta uma coisa: ter um filho homem que se torne jogador de futebol. Ele e a mulher, Afrodite (Carolina Dieckmann), já são pais de Diana (Laryssa Ayres), Bebeto (Eduardo Speroni), Rivalda (Giulia Gayoso) e Cristiana (Vitoria Rangel). Para desgosto de Nicolau, Bebeto não leva jeito para ser jogador. Por isso, ele segue na tentativa de ter um outro filho que possa lhe dar essa alegria. Todos os meses, o dono do quiosque conta os dias para a chegada do período fértil da esposa. Afrodite ama o marido, mas está cansada de sua obsessão por mais um filho.

 

Figurino e caracterização: a moda atemporal de Serro Azul

O grande desafio de Natália Duran Stepanenko e sua equipe ao desenvolver o figurino de ‘O Sétimo Guardião’ tem sido criar uma atmosfera atemporal para os personagens, com toques de realismo fantástico, que é a proposta estética da novela. Para chegar neste formato, ela idealizou o que denomina de “neorrealismo fantástico”:  montou para cada núcleo um figurino com referências de uma década do século passado. “Serro Azul é uma cidade que parou no tempo. O desafio desse figurino é colocá-lo entre Tubiacanga e Greenville, num lugar que não chegou a televisão nem a internet. Para as pessoas acreditarem nessa história, a gente criou uma estética que fica entre o realismo mágico e o real”, conta, exemplificando em seguida. “O bordel, por exemplo, tem referência na década de 70. Já a família do doutor Aranha passeia pelas décadas de 40 e 50. E os jovens são contemporâneos”.

A pesquisa para a montagem do guarda-roupa dos personagens contou também com um trabalho de imersão pelas obras de realismo mágico de Aguinaldo Silva, como ‘Fera Ferida’ e ‘A Indomada’. “Conversei muito com a Beth Filipeck, que trabalhou com o autor, para entender algumas referências”, lembra. Cada personagem da trama tem um enxoval, com peças que vão desde as mais simples, passando por vestidos de festa e velório. A confecção foi dividida entre produção na costura dos Estúdios Globo e peças compradas em diversas regiões do Brasil.

A personagem de Ondina (Ana Beatriz Nogueira), por exemplo, ganha uma nova leitura com roupas de brechó. Já a jovem Luz, papel de Marina Ruy Barbosa, passeia entre vestidos e até calça jeans, em uma versão mais contemporânea. “A roupa dela é leve, mas com personalidade, porque ela é uma heroína que tem força”, descreve. O par romântico da atriz na história, Gabriel (Bruno Gagliasso) tem um guarda-roupa absolutamente básico, puxando pelos tons azuis do Herói fazendo referência ao arquétipo. Tudo bem simples.

A mãe de Gabriel, Valentina (Lília Cabral), no entanto, é seu oposto. Nesta personagem, Natalia aproveita para colocar muito do que é tendência na moda. “É uma personagem que estará sempre um tom acima do ambiente. Aonde chega, vai causar impacto. Ela tem muita segurança na roupa dela. Usa muito couro, vestidos, tubos, looks com uma única tonalidade. Buscamos peças para ela no Brasil todo”, adianta.

Os guardiães são bem diferentes entre si, cada um ao seu estilo, desde um delegado meio cowboy, o personagem Machado (Milhem Cortaz), passando pelo prefeito que lembra os políticos do Interior, até uma esotérica, que tem referências estéticas em alquimias. “A unidade está na história da fonte, mas, juntos, eles compõem um grupo harmonioso”, explica.

O trabalho da equipe de caracterização, comandada por Valéria Toth, acompanha o conceito utilizado para o figurino. “Para a Luz, que é uma menina independente, pensamos em algo mais natural. Ela usa pouca maquiagem. E optamos por esse novo corte, com a franja, que passa um ar jovem e ao mesmo tempo casual”, explica.

Já a vilã Valentina, ao contrário da mocinha, estará sempre preocupada com a imagem e nunca sai de casa sem maquiagem. Da mesma forma, a primeira-dama Marilda (Leticia Spiller) é refém da aparência e terá uma maquiagem mais forte, com cores vivas.

As cores ainda estão muitos presentes em todo o núcleo do bordel de Ondina. “Esse é um ambiente em que podemos ousar um pouco mais, trazendo referências de divas da música e do cinema”, conta.

Cenografia e produção de arte: materializando o universo mágico de Aguinaldo Silva

Todo o universo de Serro Azul está ambientado numa cidade cenográfica construída nos Estúdios Globo. Com 18 mil metros quadrados, o espaço tem 38 edificações. “Fizemos uma cidade completa, com a praça, a igreja, a prefeitura. Temos as residências de todos os personagens e os locais onde essas pessoas trabalham”, ressalta a cenógrafa Anne Bourgeois.

A fonte protegida pelos guardiães também foi construída nos Estúdios Globo. São seis metros de queda d’água dentro de uma gruta cenográfica de cerca de mil metros quadrados. “A fonte é a menina dos nossos olhos”, afirma Anne. Outro cenário destacado por ela é a igreja da cidade. “Tentamos colocar algo de fantasioso ali. Até a paleta de cores que utilizamos nas paredes e nas pinturas, com rosa, dourado e azul claro, carrega uma fantasia”, conta.

A cenógrafa, que começou a desenvolver o trabalho para a novela no início do ano, afirma que, apesar de Serro Azul não estar localizada geograficamente em nenhum estado brasileiro, tem uma arquitetura colonial marcada, que remete às construções do interior de Minas Gerais. “Acredito que o público vai se encantar com a cidade e os segredos que ela guarda”, aposta.

Já a produtora de arte Mirica Viana explica que “a preocupação era conseguir objetos que tivessem a cara dessa história que Aguinaldo está contando. Itens bonitos e charmosos. As panelas, por exemplo, foram todas compradas em pedra sabão”.

Uma curiosidade em relação a esse trabalho são os carros e celulares utilizados em cena. “Como a modernidade não chegou completamente a Serro Azul, conseguimos alguns veículos antigos, como um Galax e um Opala. Os celulares também são de modelos fora de moda. Na cidade, só a Marilda (Leticia Spiller) tem um telefone um pouco melhor. Nenhum outro morador, além dos que chegam de São Paulo, tem smartphone, por exemplo”, conta Mirica.

A produção de arte também foi responsável por trazer quatro gatos da raça Bombaim dos Estados Unidos, no início do ano, para que eles fossem adestrados e pudessem representar León na trama. “O resultado com os animais de verdade está sendo maravilhoso”, garante a produtora de arte.

  

Tecnologia: três versões para o gato León

Para o desenvolvimento do gato León, a equipe de Tecnologia da Globo iniciou no ano passado três frentes de pesquisa: utilizando gatos reais, desenvolvendo um animatronic e modelando um gato realista totalmente 3D. “A versão virtual do animal levou um semestre para ser concluída e contou com a contribuição de parceiros internacionais. Para o dia a dia, teremos seis animadores dedicados a este projeto, e o trabalho é tão minucioso, que cada profissional entrega 30 segundos de animação por mês”, conta Fernando Alonso, gerente de operações de Tecnologia da Globo.

Além disso, foram feitos testes de captação e composição com gatos reais nos Estúdios Globo, no Rio de Janeiro. A maior parte das cenas que o público vai ver, cerca de 70%, está sendo feita com o gato de verdade. As outras cenas serão feitas em 3D ou com um animatronic, que é manipulado pela equipe de efeitos especiais. “Os testes de filmagem com o gato real foram muito bons, e estamos usando as três versões, uma complementa a outra”, afirma Alonso.

“Para as cenas em que o animal real aparece, foram feitas imagens em nosso galpão de efeitos visuais e, com isso, começamos a criar uma biblioteca de footage de imagens em movimento no chroma key”, explica Fernando Alonso. Em seguida, essas imagens passam por composição com as cenas gravadas com atores, reproduzindo iluminação e interferências do ambiente para uma integração mais precisa na cena.

Além de León, a equipe de efeitos visuais construiu toda Serro Azul em ambiente virtual, sobre a topografia da Serra da Canastra (MG). Também foram feitos stockshots em 3D.

A coruja que Milu (Zezé Polessa) tem em sua loja de produtos esotéricos é outro elemento em que a equipe de efeitos trabalha. “Existe a versão da coruja empalhada, feita pela produção de arte, mas, como em alguns momentos da história o animal ganhará movimentos, estamos nos preparando para que isso também seja feito na computação”, adianta Alonso.

Entrevista com o autor Aguinaldo Silva

Pernambucano de Carpina, o autor começou a trabalhar aos 14 anos e, com seu primeiro salário, comprou o livro “Bom Dia, Tristeza”, de Françoise Sagan, que o despertaria para a carreira. Dois anos depois, publicou sua primeira obra, “Redenção para Job”, e rapidamente conseguiu um emprego no jornal Última Hora, do Nordeste. Aguinaldo se tornou roteirista por acaso, já no Rio de Janeiro. Tinha saído do jornal O Globo, onde trabalhava como editor, e recebeu um telefonema de Daniel Filho para escrever um seriado policial – ‘Plantão de Polícia’. A partir daí, já se somam mais de três décadas, quase 20 novelas, seriados e minisséries como a pioneira na televisão: ‘Lampião e Maria Bonita’. Entre as décadas de 1980 e 1990, Aguinaldo escreveu sucessos dentro do realismo mágico como ‘Tieta’, ‘Pedra Sobre Pedra’, ‘Fera Ferida’, e ‘A Indomada’. Seu último trabalho no gênero foi ‘Porto dos Milagres’, em 2001. ‘O Sétimo Guardião’, além de marcar a volta do autor a esse universo, é a continuação da bem-sucedida parceria com o diretor Rogério Gomes, que começou em 2014, com ‘Império’.

Como surgiu a ideia de escrever ‘O Sétimo Guardião’?

Quando comecei a pensar nesta novela, me veio essa questão do valor da água e o fato de que, em breve, ela vai se tornar o bem mais precioso do planeta. Ao mesmo tempo, eu já vinha tendo a vontade de retornar ao realismo mágico, então criei essa fonte protegida por sete guardiães e a história de amor de Luz e Gabriel.

Por que você decidiu voltar ao realismo mágico?

Comecei a perceber que a realidade estava ficando dura demais, e que nenhuma ficção poderia competir com isso. Além do mais, me divirto nesse estilo, onde tudo é possível, onde o escritor é senhor absoluto dos acontecimentos. Onde, se eu quiser, posso fazer até um carro voar. E, quando percebo que o espectador acreditou nessas ideias, a sensação é boa demais.

O público tem muita curiosidade sobre suas vilãs. Como será Valentina Marsalla?

Eu não gosto de personagens que são vilãs porque são más apenas. Eu acho que a vilã tem que ter sempre uma motivação. Além disso, para que ela não fique pesada e pavorosa, tem que ser bem-humorada. Valentina será uma supervilã, com essas características.

Como está sendo repetir a parceria com Rogério Gomes?

Sempre dei muita sorte com os diretores que tive em minhas novelas. Paulo Ubiratan era um gênio, o Wolf também. E o Papinha não é propriamente um diretor, mas um cúmplice. Ele entende perfeitamente o que quero dizer no texto e procura, não apenas ser fiel a isso, mas criar em cima disso.

Como foi a escalação de elenco para a novela?

Não penso muito nos atores antes de ter a história e os perfis escritos. No caso de ‘O Sétimo Guardião’, havia atores com quem eu gostaria de trabalhar, independentemente da história, como a Maria Ruy Barbosa e a Lília Cabral, além do Tony Ramos, que até então nunca tinha estado em nenhuma obra minha. Da mesma forma que, ao longo da escalação, alguns acabam sendo uma grata surpresa, como a Nany People, que eu não havia pensado lá no início, e estou muito feliz em ter no elenco.

O que o público pode esperar de ‘O Sétimo Guardião’?

Nessa novela tudo pode acontecer. E aguarde, porque, em geral, acontece.  

Entrevista com o diretor Rogério Gomes

Rogério Gomes participa do universo da televisão desde os cinco anos, quando acompanhava o pai, o locutor Hilton Gomes, aos estúdios da TV Tupi. Iniciou a carreira como operador de VT da primeira versão do ‘Sítio do Pica-Pau Amarelo’, na Globo, e depois passou a editor de imagens. Antes de começar a trabalhar com dramaturgia, Rogério editou e dirigiu diversos clipes exibidos no ‘Fantástico’, algumas edições do Hollywood Rock e também o primeiro Rock in Rio. A primeira novela que assinou como editor foi ‘Rainha da Sucata’, de Silvio de Abreu, em 1990. Seu próximo passo foi dirigir a minissérie ‘O Sorriso do Lagarto’, adaptada do romance de João Ubaldo Ribeiro e, logo depois, a novela ‘Deus nos Acuda’, de Silvio de Abreu. ‘Vira-Lata’, de Carlos Lombardi, exibida em 1996 foi a primeira novela que assinou como diretor-geral, ao lado de Jorge Fernando. De lá para cá, dirigiu diversas outras produções. Seus últimos trabalhos na Globo foram os sucessos ‘Império’, de Aguinaldo Silva, que ganhou o prêmio Emmy Internacional como melhor novela, ‘Além do Tempo’, de Elizabeth Jhin, e a ‘A Força do Querer’, ao lado da autora Gloria Perez. Em ‘O Sétimo Guardião’, o diretor retoma a parceria com Aguinaldo Silva.

Como está sendo dirigir, pela primeira vez, uma novela de realismo mágico?

Está sendo desafiador, mas também muito divertido. Com a tecnologia que temos hoje, há uma facilidade maior para transitar nesse universo, em relação ao que o Aguinaldo fez no passado. É uma novela naturalista. O realismo mágico fica por conta da trama da fonte e da relação do gato com os guardiães e a Luz (Marina Ruy Barbosa)

O que mais chama sua atenção em ‘O Sétimo Guardião’?

Para além da história, essa novela me atrai por estar sendo a volta do Aguinaldo ao realismo mágico. Quando li a sinopse e os primeiros capítulos, vi ali uma bela história a ser tirada do papel.

Qual a diferença de dirigir uma novela em que um gato vai contracenar com os atores?

Já trabalhei em outras produções com animais. Temos que respeitar o tempo deles, especialmente sendo o León um dos principais personagens. Vamos contar, claro, com a facilidade dos efeitos visuais também. Em alguns casos a computação gráfica entra para completar a cena. Este é um dos grandes desafios deste projeto.

Como está sendo repetir a parceria com Aguinaldo Silva?

Meu trabalho com Aguinaldo em ‘Império’ foi uma grata surpresa. Jogamos muito juntos, trocamos ideias. Ele é um autor que confia nos profissionais que chama para trabalhar com ele, o que facilita muito o processo.

O que o público pode esperar de ‘O Sétimo Guardião’?

Para mim, está sendo um privilégio comandar uma equipe que tem o desafio de tirar do papel e dar vida aos personagens desse universo tão vasto criado pelo Aguinaldo. Espero que o público goste e se envolva tanto quanto nós.

Perfil dos personagens

Gabriel (Bruno Gagliasso) – Filho de Valentina Marsalla (Lília Cabral), poderosa empresária do setor de cosméticos. No início da trama, está noivo de Laura (Yanna Lavigne). Depois que o gato León misteriosamente cruza seu caminho, em São Paulo, desiste de se casar e vai embora para Serro Azul, deixando tudo para trás. Se apaixona por Luz (Marina Ruy Barbosa).

Luz (Marina Ruy Barbosa) – Recém-formada professora, foi criada pelo avô, Sóstenes (Marcos Caruso), como uma menina comum. Luz sabe, no entanto, que esse adjetivo não se aplica a ela. Desde pequena, tem sonhos enigmáticos, alguns deles visões de algo que está prestes a acontecer. Além disso, Luz se entende com o gato León através do olhar. Ela vai se apaixonar por Gabriel (Bruno Gagliasso).

León (gato) – Gato de Egídio (Antonio Calloni), é envolto por mistérios. Tem uma forte ligação com Luz (Marina Ruy Barbosa).

Guardiães

Egídio (Antonio Calloni) – É o guardião-mor da fonte. Reservado, só sai do casarão onde vive com o gato León quando precisa se reunir com os outros guardiães. Sua fiel escudeira é a empregada Judith (Isabela Garcia), a única pessoa de fora da irmandade a quem ele confia o segredo da fonte. No passado, Egídio foi noivo de Valentina (Lília Cabral). Ele a abandonou no altar após receber o chamado para ser guardião-mor.

Eurico (Dan Stulbach) – Prefeito de Serro Azul, é ambicioso e sonha chegar a Brasília através da política. Casado com Marilda (Leticia Spiller), é pai de Geandro (Caio Blat) e Júnior (José Loreto). É muito apaixonado pela mulher e um bom pai para os filhos, apesar de não esconder sua preferência por Júnior.

Feliciano (Leopoldo Pacheco) – Mendigo, está sempre a postos em frente à igreja, observando tudo o que acontece na cidade. Afirma que é descendente de índios. Algumas pessoas dizem que ele é louco, mas, na verdade, Feliciano é o mais sensato entre os guardiães.

José Aranha (Paulo Rocha) – É o médico de Serro Azul. Filho amoroso, faz de tudo para que a mãe, a beata Mirtes (Elizabeth Savalla), e sua esposa, Stella (Vanessa Giácomo), por quem é completamente apaixonado, se entendam. Mirtes, no entanto, não se cansa de jogar na cara da nora que ela não é capaz nem de lhe dar um neto.

Joubert Machado (Milhem Cortaz) – Delegado de Serro Azul. É casado com a exuberante Rita de Cássia (Flávia Alessandra). Apesar dos anos de casamento, eles conseguem manter o fogo da paixão. Machado tem um segredo íntimo que esconde a sete-chaves: ele gosta de usar calcinhas.

Milu (Zezé Polessa) – Dona da loja de produtos esotéricos Cristalina. Bem no alto de uma prateleira, tomando conta de tudo, está Minerva, sua coruja de estimação e seu talismã, que tudo vê, embora esteja empalhada. Alguns dizem que Milu é uma bruxa, porque consegue traçar o perfil de uma pessoa apenas ao observá-la.

Ondina (Ana Beatriz Nogueira) – Durante o dia, cuida de sua pousada, a única da cidade. À noite, é cafetina do bordel Paraíso da Ondina. Protege como uma mãe as meninas que trabalham para ela, além de Adamastor (Theodoro Cochrane), seu fiel escudeiro na administração tanto da pousada quanto do bordel. Ondina é uma mulher alegre, que só não consegue manter o bom humor quando cruza com Mirtes (Elizabeth Savalla), com quem vive em pé de guerra.

Núcleo de Valentina

Valentina Marsalla (Lília Cabral) – Famosa empresária do ramo de cosméticos, não abre mão do glamour. Mãe de Gabriel (Bruno Gagliasso), seu grande objetivo é que o filho se case com Laura (Yanna Lavigne), herdeira do milionário Olavo (Tony Ramos), garantindo, assim, o futuro de seus negócios. Na juventude, Valentina foi abandonada no altar por Egídio (Antonio Calloni) e fugiu de Serro Azul jurando nunca mais voltar.

Olavo (Tony Ramos) – Empresário milionário, é pai de Laura (Yanna Lavigne). Movido pela ambição por dinheiro, seu único ponto fraco é a filha. Ele é capaz de qualquer coisa para vê-la feliz.

Laura (Yanna Lavigne) – Órfã de mãe, cresceu sendo mimada pelo pai, o milionário Olavo (Tony Ramos). No início da trama, é noiva de Gabriel (Bruno Gagliasso).

Louise Marie (Fernanda de Freitas) – Assistente de Valentina (Lília Cabral), está sempre a postos para as ordens da empresária. Mantém um caso com Sampaio (Marcello Novaes).

Sampaio (Marcello Novaes) – Motorista, segurança e pau-para-toda-obra de Valentina (Lília Cabral). Enigmático, ele vê e ouve muitas coisas sobre a patroa. Ganhou a confiança dela e sabe o bastante para fazê-la cair do cavalo, não fosse o fato de que, se abrisse o bico, também se daria mal. Tem um caso com Louise Marie (Fernanda de Freitas).

Marcos Paulo (Nany People) – Químico que trabalhou com Valentina (Lília Cabral) no passado, mora em Paris. Receberá uma proposta da empresária e voltará ao Brasil.

Núcleo de Luz

Sóstenes (Marcos Caruso) – Avô de criação de Luz (Marina Ruy Barbosa), é um homem sensato e justo, que faz qualquer coisa pela neta.

Família do prefeito

Marilda (Leticia Spiller) – Primeira-dama de Serro Azul, é casada com Eurico (Dan Stulbach) e mãe de Geandro (Caio Blat) e Júnior (José Loreto). É irmã de Valentina (Lília Cabral), de quem faz de tudo para se reaproximar. Aparenta ser bem mais jovem do que realmente é, mas não revela a ninguém qual o seu segredo de beleza.

Geandro (Caio Blat) – Filho mais velho do prefeito Eurico (Dan Stulbach) e da primeira-dama Marilda (Leticia Spiller), é um rapaz tranquilo, muito amigo de Luz (Marina Ruy Barbosa). No passado, se envolveu com drogas, e hoje luta para reconquistar a confiança dos pais. É apaixonado por Lourdes Maria (Bruna Linzmeyer).

Júnior (José Loreto) – Filho do prefeito Eurico (Dan Stulbach) e da primeira-dama Marilda (Letícia Spiller). Tem verdadeira fixação por Luz (Marina Ruy Barbosa) e tenta estar sempre perto da jovem, que não dá a mínima para ele.

Família do delegado

Rita de Cássia (Flávia Alessandra) – De uma beleza estonteante, é casada com o delegado Machado (Milhem Cortaz) e apoia o marido no hábito de usar calcinhas. Tem o sonho de se tornar uma estrela de cinema e tentará convencer Machado a deixar que ela participe do documentário que Leonardo (Jaffar Bambirra) pretende fazer sobre Serro Azul.

Família de Nicolau

Nicolau (Marcelo Serrado) – Dono de um trailer instalado na praça da cidade, é um homem simples e trabalhador. É casado com Afrodite (Carolina Dieckmann) e pai de Diana (Laryssa Ayres), Bebeto (Eduardo Speroni), Rivalda (Giulia Gayoso) e Cristiana (Vitoria Rangel). Seu maior desejo é ter um filho jogador de futebol. Como Bebeto não leva jeito para o esporte, Nicolau segue na tentativa de ter um outro filho que possa lhe dar essa alegria. Todos os meses, ele conta os dias para a chegada do período fértil da esposa e não dá descanso a ela quando a esperada data chega.

Afrodite (Carolina Dieckmann) – Casada com Nicolau (Marcelo Serrado) e mãe de Diana (Laryssa Ayres), Bebeto (Eduardo Speroni), Rivalda (Giulia Gayoso) e Cristiana (Vitoria Rangel). Dedicada aos filhos e ao marido, está sempre ajudando no trailer, além de cuidar dos afazeres domésticos. Ama Nicolau, mas está cansada da obsessão dele em ter mais filhos.

Diana (Laryssa Ayres) – Filha de Nicolau (Marcelo Serrado) e Afrodite (Carolina Dieckmann). Irmã de Rivalda (Giulia Gayoso), Bebeto (Eduardo Speroni) e Cristiana (Vitoria Rangel). Tem grande habilidade no caratê e sonha se tornar uma profissional. Diana, no entanto, terá que enfrentar a ira do pai, que acredita que caratê é coisa apenas de meninos.

Bebeto (Eduardo Speroni) – Filho de Nicolau (Marcelo Serrado) e Afrodite (Carolina Dieckmann). Irmão de Diana (Laryssa Ayres), Rivalda (Giulia Gayoso) e Cristiana (Vitoria Rangel). Adora dançar, para desgosto do pai. Recebe o apoio da mãe, que tentará mostrar a Nicolau que o mundo mudou e que ele precisa rever os próprios conceitos.

Rivalda (Giulia Gayoso) – Filha de Nicolau (Marcelo Serrado) e Afrodite (Carolina Dieckmann). Irmã de Diana (Laryssa Ayres), Bebeto (Eduardo Speroni) e Cristiana (Vitoria Rangel). Trabalha na loja de Milu (Zezé Polessa). Tem ciúmes dos irmãos, pois acredita que os pais dão mais atenção aos outros do que a ela.

Cristiana (Vitoria Rangel) – Filha caçula de Nicolau (Marcelo Serrado) e Afrodite (Carolina Dieckmann). Irmã de Diana (Laryssa Ayres), Bebeto (Eduardo Speroni) e Rivalda (Giulia Gayoso).

Família de Tobias

Tobias (Roberto Birindelli) – Comerciante, dono do bar Tobias Lounge. Sempre disposto a ajudar aos que estão à sua volta, é casado com Clotilde (Adriana Lessa), pai de Leonardo (Jaffar Bambirra) e Margareth (Ana Clara Gomes Couto).

Clotilde (Adriana Lessa) – É professora e dona do salão de beleza Cloclothes. Casada com Tobias (Roberto Birindelli), mãe de Leonardo (Jaffar Bambirra) e Margareth (Ana Clara Gomes Couto). É a única pessoa de Serro Azul que mantém contato com Valentina (Lília Cabral), acreditando que a empresária a considera sua amiga.

Leonardo (Jaffar Bambirra) – Filho de Tobias (Roberto Birindelli) e Clotilde (Adriana Lessa), e irmão de Margareth (Ana Clara Gomes Couto). Está sempre com sua filmadora em mãos, registrando o dia a dia de Serro Azul. Seu projeto é fazer um documentário sobre a cidade.

Margareth (Ana Clara Gomes Couto) – Filha caçula de Tobias (Roberto Birindelli) e Clotilde (Adriana Lessa), e irmã de Leonardo (Jaffar Bambirra).

Família de Mirtes

Mirtes (Elizabeth Savalla) – É a líder do grupo de beatos de Serro Azul. Mãe do doutor Aranha (Paulo Rocha), nunca aceitou o casamento do filho com Stella (Vanessa Giácomo) e passa os dias a infernizar a vida da nora, dizendo que ela não foi capaz nem de lhe dar um neto. Dissimulada, Mirtes sempre consegue esconder do filho suas armações contra Stella. É ex-sogra de João Inácio (Paulo Vilhena), que foi casado com sua filha que morreu, e avó de Guilherme (Caio Manhente). Assim como Stella, João Inácio é alvo de Mirtes. A beata persegue o ex-genro e não poupa intrigas para que Guilherme se afaste do pai. É a maior inimiga de Ondina (Ana Beatriz Nogueira), que ela considera ser a encarnação do pecado.

Stella (Vanessa Giácomo) – Casada com o médico José Aranha (Paulo Rocha), mora na mesma casa que a sogra, Mirtes (Elizabeth Savalla), que faz de tudo para atormentar sua vida. No passado, Stella perdeu um bebê que esperava e nunca mais conseguiu engravidar. Mirtes vive jogando na cara da nora que ela não foi capaz nem de lhe dar um neto. Apesar de contar com o apoio do marido, Stella por vezes se sente insegura em meio às insinuações da sogra e tem que ser forte para não sucumbir a um vício antigo: a bebida.

Guilherme (Caio Manhente) – Filho de João Inácio (Paulo Vilhena), tem adoração pela avó, Mirtes (Elizabeth Savalla). Em certas ocasiões, influenciado por ela, chega a ficar contra o pai. A situação ficará pior quando João Inácio se envolver com Stefânia (Carol Duarte).

João Inácio (Paulo Vilhena) – Viúvo desde que a esposa, filha de Mirtes (Elizabeth Savalla), morreu, cria sozinho o filho Guilherme (Caio Manhente). Vai todas as noites ao bordel dançar tango com Stefânia (Carol Duarte), o que Mirtes usa como munição para colocar Guilherme contra o pai.

Núcleo da igreja

Padre Ramiro (Ailton Graça) – Padre da igreja de Serro Azul. É um homem de profunda vocação religiosa, mas de pavio curto, e não tolera conversas paralelas em suas missas.

Maltoni (Matheus Abreu) – Sacristão, tem uma beleza que provoca alvoroço entre as mulheres durante as missas.

Jurandir (Paulo Miklos) – Católico fervoroso, está sempre com Mirtes (Elizabeth Savalla), Liliane (Simone Zucato) e Roseane (Talita Fusco). É pai de Elisa (Giullia Buscacio). Seu grande sonho é que a filha siga a vida religiosa e se torne freira.

Elisa (Giullia Buscacio) – Filha de Jurandir (Paulo Miklos), é uma jovem doce, melhor amiga de Luz (Marina Ruy Barbosa). Vai se interessar por Maltoni (Mathues Abreu).

Liliane (Simone Zucato) – Beata, está sempre com Mirtes (Elizabeth Savalla), Roseane (Talita Fusco) e Jurandir (Paulo Miklos).

Roseane (Talita Fusco) – Beata, está sempre com Mirtes (Elizabeth Savalla), Liliane (Simone Zucato) e Jurandir (Paulo Miklos).

Núcleo da pousada e do bordel

Adamastor (Theodoro Cochrane) – Homem refinado, é o braço-direito de Ondina (Ana Beatriz Nogueira) na administração da pousada e do bordel, tem sempre um conselho bem-humorado para a cafetina e para as meninas que trabalham ali.

Stefânia (Carol Duarte) – Trabalha na pousada e no bordel de Ondina (Ana Beatriz Nogueira). Gagueja quando está nervosa. Vai se apaixonar por João Inácio (Paulo Vilhena) e, junto com ele, terá que enfrentar a difamação provocada por Mirtes (Elizabeth Savalla), ex-sogra do rapaz.

Luciana (Josie Pessoa) – Trabalha na pousada e no bordel de Ondina (Ana Beatriz Nogueira). Seu jeito meio bruto costuma atrair alguns homens e espantar outros.

Katiucha (Lyv Ziese) – Trabalha na pousada e no bordel de Ondina (Ana Beatriz Nogueira). É ótima ouvinte e costuma escutar dos clientes algumas confissões inesperadas.

Januária (Mila Carmo) – Trabalha na pousada e no bordel de Ondina (Ana Beatriz Nogueira). Sabe usar de sua sensualidade para encantar os homens e conseguir o que deseja.

Família de Socorro

Socorro (Inês Peixoto) – Secretária na prefeitura de Serro Azul, é uma mulher religiosa, que criou sozinha as duas filhas, Lourdes Maria (Bruna Linzmeyer) e Raimunda (Julia Konrad).

Lourdes Maria (Bruna Linzmeyer) – Filha de Socorro (Inês Peixoto) e irmã de Raimunda (Julia Konrad). Linda e ambiciosa, é apaixonada por Júnior (José Loreto). Vê Luz (Marina Ruy Barbosa) como sua grande rival.

Raimunda (Julia Konrad) – Filha mais velha de Socorro (Inês Peixoto), é o oposto da irmã Lourdes Maria (Bruna Linzmeyer): a vaidade não é prioridade em sua vida. Nutre uma paixão recolhida por Geandro (Caio Blat).

Outros personagens

Judith (Isabela Garcia) – Empregada no casarão de Egídio (Antonio Calloni), é absolutamente leal ao patrão. É casada com Robério (Heitor Martinez).

Robério (Heitor Martinez) – Jardineiro no casarão de Egídio, é um homem ambicioso, de caráter duvidoso. É casado com Judith (Isabela Garcia).

Neide (Viviane Araújo) – Trabalha no salão de Clotilde (Adriana Lessa). Quando sua mãe, Firmina (Guida Viana), chega à cidade, é obrigada a hospedá-la. Apesar de ser uma pessoa otimista, Neide tem um lado triste: no passado, foi obrigada a abandonar a filha recém-nascida e seu maior sonho é reencontrá-la.

Firmina (Guida Vianna) – Mãe de Neide (Viviane Araújo), é uma cozinheira de mão cheia. No passado, renegou a filha grávida, e agora tenta se reaproximar dela.

Peçanha (Felipe Hintze) – Profissional empenhado, é auxiliar de Machado (Milhem Cortaz) na delegacia.

Patrício (Lucci Ferreira) – Radialista, está sempre de olhos e ouvidos atentos a tudo o que acontece na cidade.

Fabim (Marcello Melo Jr.) – Operário da empreiteira que vai reformar o casarão de Valentina (Lília Cabral) em Serro Azul.

Liza Gomes (Lucilene) – Diarista, faz faxina em várias casas de Serro Azul. Não é boa em guardar segredos, sendo muitas vezes responsável por espalhar as fofocas que correm pela cidade.

Cauê Campos (Feijão) – Faz parte da turma que está sempre no trailer de Nicolau (Marcelo Serrado). Sua maior felicidade é quando alguém diz que vai pagar um lanche para ele.

Dida (Maureen Miranda) – Empregada de Valentina (Lília Cabral) em Serro Azul.

Jane (Ana Paula Novellino) – Empregada de Valentina (Lília Cabral) em Serro Azul.

Robson Santos (Alfredo) – Motorista de Valentina (Lília Cabral)

Pin It on Pinterest