Jornalista acusa Reinaldo Azevedo de pedir sua cabeça

Acabou a parceria entre a Jovem Pan e o jornalista Claudio Tognolli. Contratado no início deste ano, o profissional foi dispensado na quinta-feira, 17, após 10 meses de trabalho na emissora com o ‘Morning Show’. “Fui demitido a pedido do Reinaldo Azevedo”, revelou Tognolli em entrevista à reportagem do Portal “Comunique-se”. Durante a conversa, o comunicador falou sobre o período na rádio e quais são seus projetos a partir de agora.

“Quem manda na Jovem Pan é o Reinaldo. Ele pediu para que a direção escolhesse. Aí, eu te pergunto: por qual motivo ele fez isso?”, questiona o jornalista dispensado. “Será que é porque eu circulo em todas as esferas e sou imparcial? Durante esse tempo na Jovem Pan, fui atendido por todas as fontes, pois trabalho com fatos”, comenta o agora ex-funcionário da emissora.

Tognolli afirma que não imaginava ser demitido, já que seu trabalho era elogiado diariamente. Dias antes de receber a notícia, o jornalista veiculou entrevista exclusiva com Delcídio do Amaral, ex-senador que quebrou o silêncio e deu detalhes sobre o esquema de corrupção na Petrobras.

À reportagem do Portal Comunique-se, fontes informaram que Tognolli foi desligado da rádio por ter se desentendido com Azevedo. A confusão teria começado com um post compartilhado pelo então integrante do ‘Morning Show’ no Facebook, cujo o conteúdo apresentava enquete entre internautas que pediam a demissão do comentarista de política e apresentador do programa ‘Os Pingos nos Is’.

Até o momento, Tognolli não assinou a rescisão, mas segue fora do ar desde a última semana. O profissional revelou que pretende seguir sua carreira acadêmica como professor universitário e adiantou que está trabalhando em quatro livros, com previsão de lançamento para 2017. Além disso, ele acaba de iniciar um canal no YouTube. “Resolvi atender aos pedidos de quase 3 mil tuiteiros e comecei a postar os vídeos nesta terça-feira, 22”, explica. O tema da primeira publicação no canal de vídeos do Google é “Dinheiro vivo na Lava Jato”.

O jornalista fala sobre o período que ficou na Jovem Pan, um tempo curto para quem já tinha trabalhado na emissora por dez anos. “Estava passando por um momento muito difícil na vida pessoal quando o Tutinha [Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, presidente do veículo] me ligou e falou da oportunidade. A Jovem Pan sempre foi como uma casa, eu me sentia no meio da minha família. Quando o Tutinha me convidou, vi uma ótima chance de me livrar de ‘alguns fantasmas’ e fazer o que eu mais amo, que é reportagem. Mudei minha rotina para trabalhar na rádio e foi um período maravilhoso, com furos e matérias legais. A Jovem Pan me ajudou em um momento muito delicado e eu pude fazer meu trabalho”.

Reinaldo Azevedo, também em contato com a reportagem do Portal Comunique-se, nega a acusação feita por seu ex-colega de emissora. “Não contrato nem demito ninguém na Jovem Pan. Não tenho poder para isso. Nem tempo. Minha influência na rádio se limita ao programa ‘Os Pingos nos Is’, que ancoro. É só. O resto é fofoca de desocupados”, limita-se a afirmar o jornalista. A Jovem Pan informou por meio de sua assessoria de imprensa que não comenta casos de demissões.

Outra demissão
Contratado em agosto, o jornalista Carlos Graieb também deixou a Jovem Pan. A demissão do profissional aconteceu em outubro. Ele chegou à rádio junto de Vera Magalhães após os dois serem desligados da Veja. Na Jovem Pan, ele tinha como função coordenar os trabalhos de conteúdo multiplataforma, além de ser um dos apresentadores do ‘Três em Um’, posto que ficou sob cuidados de Marcelo Madureira.