Coluna: Em meio a mocinhos e vilões, “prostituta” rouba a cena em novela da Record

A Terra Prometida

O cinema e a TV já tiveram prostitutas memoráveis. Julia Roberts no filme ‘Uma linda Mulher’ e Ana Paula Arósio na série ‘Hilda Furacão’ são apenas dois exemplos.

Em novelas, é raro a mocinha ou protagonista ser prostituta. Geralmente esse papel fica a cargo da antagonista ou vilã da história.

Na novela “A Terra Prometida”, Miriam Freeland vem roubando a cena como Raabe, uma prostituta que devido ao seu trabalho, sofre preconceitos e é maltratada pelo próprio pai. A cananéia vira heroína quando esconde espiões hebreus em sua casa e os salva da morte. Ao demonstrar grande fé no poder libertador de Deus, é poupada da destruição de Jericó.

Longe da Record desde 2011, quando interpretou Maria na novela ‘Máscaras’, Miriam desperta elogios da crítica, público e de colegas de emissora. Recentemente, Gustavo Reiz, autor de ‘Escrava Mãe’, declarou no Twitter:

A Raabe, da novela da Record, é mais novelesca do que bíblica. Renato Modesto, autor de “A Terra Prometida” declarou que seu texto não tem a intenção de catequizar. De fato, temos visto um texto mais folhetinesco e personagens romantizados. Alguns até lembram personagens de contos de fadas. Aruna (Thaís Melchior), é uma espécie de Cinderela bíblica, a vilã Léia (Beth Goulart) parece a madrasta má, e Josué (Sidney Sampaio) o príncipe encantado.

A própria Raabe, tem ares de Rapunzel, que presa numa torre esperava para ser liberta.

Licença poética do autor à parte, se o desafio de um ator é tornar crível seu personagem e fazer com que o telespectador se identifique, Miriam, ao interpretar a prostituta Raabe, tem se saído muito bem.

Polêmica, forte, destemida e ao mesmo tempo doce e carismática, Raabe tem tudo pra fazer o telespectador sofrer e torcer do outro lado da tela. Miriam Freeland, por sua vez tem em mãos um dos grandes papéis de sua carreira na TV.

Por Ton Estevão (@TonEstevao)